Receba nossa newsletter

Notícias

Abimaq, desempenho do setor

No mês de julho a receita líquida da indústria brasileira de máquinas e equipamentos registrou crescimento em relação ao mês imediatamente anterior (+2,4%), mas queda quando comparado com o mesmo mês de 2018 (-5,2%). Em função disto o crescimento acumulado no ano de 2019 encolheu mais um pouco, de +3,9%, observado no encerramento do semestre, para +2,4% até o mês de julho. Neste mês, a piora nas vendas veio pelo mercado doméstico que encolheu tanto em relação ao mês anterior (9,8%) quanto sobre o mesmo mês de 2018 (- 17,2%). No ano, por outro lado, prevalece a melhora no mercado doméstico que acumulou crescimento de 5,8% no período.

 

Analistas de mercado preveem uma nova redução do PIB para o segundo trimestre, que se confirmada, será a segunda queda consecutiva, caracterizada como recessão técnica. Esta fraca atividade doméstica tem inviabilizado a intensificação dos investimentos, e o que temos observado é a substituição de componentes e máquinas visando a manutenção das atividades. Pelo lado externo, ao contrário do observado nos últimos anos, os sinais também não são animadores, estamos diante de um mundo em desaceleração, principalmente naqueles mercados onde o setor de máquinas e equipamentos nacionais tem maior presença (Mercosul, Zona do Euro e China).

 

Mas, apesar da desaceleração no cenário internacional, em julho de 2019, as exportações de Máquinas e equipamentos, registraram bom desempenho e cresceram 24,1%, tanto em relação ao mês anterior como sobre o mesmo mês do ano anterior. Este importante crescimento, foi reflexo das vendas de máquinas e equipamentos para o Paraguai e também para Holanda, juntos contribuíram para reduzir a queda acumulada em 2019, de - 7,1% no semestre para -3,2% até o mês de julho. A desaceleração das atividades nos em países da Zona do Euro, as tensões entre EUA e China e a crise na Argentina, ajudam a explicar a queda das exportações de máquinas ano (jan-jul).

 

O crescimento no mês de julho/19 teve como destaques o melhor desempenho nas vendas de dois segmentos: (i)Máquinas para Logística e Construção Civil: O segmento possui mais de 1/3 de participação nas exportações do setor e, em julho/19, exportou 23,9% a mais. No período ocorreu a venda de CaminhõesBetoneira para o Paraguai e Material para Andaime, armações ou escoramentos. (ii)Componentes para a indústria de bens de capital: Com participação de 27% nas exportações do setor, o crescimento no mês foi impulsionado pelas vendas de Torneiras e/ou dispositivos semelhantes para canalizações vendidas aos EUA e, principalmente, Holanda.

 

Pela primeira vez na série histórica das exportações de máquinas e equipamentos os EUA vem aparecendo como o principal destino de máquinas nacionais - 1/3 das exportações foram direcionadas à eles. As vendas para a América Latina, que no passado chegaram a superar a marca de 50% do total exportado pelo setor, vêm apresentando retração contínua e em 2019 chegou a 31,9% Este cenário reflete, principalmente nos últimos 2 anos, a crise no mercado argentino que levou as aquisições de máquinas recuarem de um total de 15% das vendas externas nacionais em 2017 para 6% em 2019, ou de US$ 1,4 bi para cerca de US$ 600 milhões anualizado.

 

No mês de julho/19, as importações de máquinas e equipamentos cresceram novamente, tanto em relação ao mês de junho/19 (+11,1%) quanto na comparação interanual (+19,9%). Com isso, no ano (jan-jul) o crescimento das importações de máquinas chegou a 10,8%, na comparação com o mesmo período de 2018. Importante destacar que este crescimento se deu todo do segundo trimestre do ano. Há, portanto, sinais de clara melhora dos investimentos realizados com bens importados, a expectativa é de que este quadro de melhora atinja com mais vigor também a produção doméstica.

 

No mês de julho, feita a análise setorial, o que se observa é o aumento generalizado das importações, mas um crescimento mais expressivo em dois mercados: (i) De componentes para a indústria de Bens de Capital: Aumento de 35% puxado pela aquisição de Torneiras e/ou dispositivos semelhantes para canalizações (+70,6%). (ii) Máquinas para a indústria de transformação: Aumento de 46% nas importações, com predominância de aquisição de máquinas e equipamentos para controle, qualidade e medição. No ano (jan-jul19), o segmento de Componentes vem sustentando o crescimento das importações, com crescimento de 34,8%, 1/3 das máquinas importadas.

 

As máquinas chinesas, vem perdendo participação gradativamente no mercado nacional. Em 2017 a China se destacou como a principal origem das importações de máquinas e equipamentos, tirando esta posição dos Estados Unidos. Os EUA, mesmo tendo expandido sua participação em 0,7 p.p. em 2019, representa pouco mais de 18% das importações de máquinas, contra mais de 22% em 2013. As máquinas alemãs, italianas e japonesas, reconhecidamente como aquelas de alto padrão tecnológico internacional, ocupam cada vez menos espaço nas estruturas industrias brasileiras.

 

O consumo aparente (produção – Exportação + Importação) de máquinas e equipamentos registrou crescimento no mês de julho de 2019 em relação ao mês imediatamente anterior (+1,7%), mas queda quando comparado com julho de 2018 (-0,9%). Este desempenho se deu pelo aumento do consumo de bens importados, a aquisição de máquinas produzidas localmente recuou 10% sobre jun19 e 17% sobre jul18. No ano (jan-jul) o consumo aparente registrou crescimento de 9,6%, ligeiramente abaixo dos desempenho acumulado até o mês de jun/19 (11,8%), refletindo, provavelmente, a desaceleração das atividades observada no segundo trimestre deste ano.

 

Após a forte crise econômica, que levou ao encolhimento tanto do estoque de capital como de mão de obra, a indústria de máquinas e equipamentos continua atuando com forte ociosidade. Em julho de 2019 o setor atuou com 73,9% da sua capacidade instalada, um recuou de 2,8% em relação ao mês de junho/19. A carteira de pedido também continua em níveis historicamente baixos. O setor de bens sob encomenda, cuja carteira girava ao redor de 6 meses, praticamente desapareceu com a ausência de investimentos em infraestrutura do país. O volume de investimentos em infraestrutura está em 1,7% do PIB quando, para se igualar com a média mundial, precisaria ser ao redor de 5% do PIB nacional.

 

Após ter reduzido em mais de 90.000 o números de pessoas empregadas na indústria brasileira de máquinas equipamentos, em 2018 o setor retomou o processo de ampliação e contratou 10.000 pessoas. Em 2019, mesmo com a atividade ainda fraca, o setor manteve as contratações e encerrou o mês de julho/19 com mais 8.000 pessoas empregadas sobre o final de 2018, um total de 309 mil colaboradores. A indústria de máquinas e equipamentos se destaca pela qualidade da sua mão de obra, e por estar entre os setores que oferecem as melhores remunerações do país, 86% acima da média nacional.

 

 

Publicações recentes

Automóveis

Linha 2020 do Nissan Kicks tem novidades em todas as versões

Fabricado em Resende, RJ, o Kicks tem agora apoio de braço e controlador automático de velocidade em todas versões com câmbio CVT

veja mais

Motocicletas

Himalayan, a todo-terreno da Royal Enfield, chega ao Brasil

Projetada nos Himalaias, motocicleta mais aguardada da marca vai ampliar mercado de média cilindrada e de turismo de aventura no país

veja mais

Utilitários

Porsche apresenta o novo Macan

As inovações mais marcantes no interior do veículo são a tela de toque de 11 polegadas e o volante esportivo GT do Porsche 911

veja mais

Carros no cinema

O BMW M5 no filme “Missão Impossível – Efeito Fallout

No novo filme, o agente secreto Ethan Hunt, vivido por Cruise, reúne novamente sua equipe em uma corrida contra o tempo após uma missão fracassada

veja mais

Automóveis

Suspendisse tristique nisi ante, ac condimentum magna tempor at

Nullam in molestie arcu. Vestibulum sollicitudin neque nec bibendum dictum. Vestibulum et enim pulvinar, interdum lectus sit amet, volutpat nibh. Nulla tincidunt nunc sed nisl luctus vehicula. Vestibulum nec dapibus velit.

veja mais

Motocicletas

Suspendisse tristique nisi ante, ac condimentum magna tempor at

Nullam in molestie arcu. Vestibulum sollicitudin neque nec bibendum dictum. Vestibulum et enim pulvinar, interdum lectus sit amet, volutpat nibh. Nulla tincidunt nunc sed nisl luctus vehicula. Vestibulum nec dapibus velit.

veja mais

Utilitários

Suspendisse tristique nisi ante, ac condimentum magna tempor at

Nullam in molestie arcu. Vestibulum sollicitudin neque nec bibendum dictum. Vestibulum et enim pulvinar, interdum lectus sit amet, volutpat nibh. Nulla tincidunt nunc sed nisl luctus vehicula. Vestibulum nec dapibus velit.

veja mais

Carros no cinema

Suspendisse tristique nisi ante, ac condimentum magna tempor at

Nullam in molestie arcu. Vestibulum sollicitudin neque nec bibendum dictum. Vestibulum et enim pulvinar, interdum lectus sit amet, volutpat nibh. Nulla tincidunt nunc sed nisl luctus vehicula. Vestibulum nec dapibus velit.

veja mais