Receba nossa newsletter

Utilitários » Clássicos

Primeiro Jeep civil completa 75 anos

 

Há 75 anos, em 17 de julho de 1945, nascia o primeiro veículo civil da Jeep®, o CJ-2A. O modelo também foi o primeiro a exibir grade dianteira com sete fendas, marca registrada dos veículos da marca até hoje. O CJ-2A não teve uma vida tão longa: sua produção durou quatro anos e terminou em 1949. No entanto sua importância histórica é enorme e ele acabou dando origem à família CJ (abreviação de civilian jeep – Jeep civil) que seguiu até a década de 1980 e cuja tradição continua viva até hoje no Wrangler e na Gladiator.

Com 215 mil unidades fabricadas, o CJ-2A se parecia muito com o Jeep pioneiro, o Willys MB. No entanto, certas características o distinguiam: a porta traseira que, por sua vez, jogou o estepe para a lateral, os faróis maiores e a grade com sete fendas, duas a menos que no MB. Ele também contava com tampa de combustível externa, além de outros itens não incluídos no antecessor militar. A transmissão T-90 substituiu a T-84 do MB, mas o motor "Go-Devil" foi mantido. Vários recursos do CJ-2A, como o sistema propulsor, a caixa de transferência Spicer 18 e os eixos flutuantes (Dana 25 na frente e Dana 23-2 atrás) foram encontrados em diversos veículos Jeep nos anos seguintes.

Os anúncios da Willys da época divulgavam o modelo como um veículo de trabalho para agricultores e trabalhadores da construção. O CJ-2A podia ser equipado com assentos extras (de passageiro na frente e traseiros), tomadas de força para implementos agrícolas, guincho, removedor de neve e outras ferramentas. Outras opções ainda eram espelho retrovisor central, capota de lona, ??guincho, elevador hidráulico traseiro, cortador de grama, limpadores de para-brisa duplos a vácuo, lanternas traseiras duplas, aquecedor, degraus laterais e protetor da escova do radiador.

Linhagem CJ

O CJ-2A ainda tem mais um destaque em seu currículo. Ele deu origem à extensa família CJ, veículos off-road de carroceria compacta, construídos e vendidos por várias gerações sucessivas da Jeep por mais de 40 anos (de 1945 a 1986). Em 1949 foi introduzido o segundo membro da linhagem, o CJ-3A, que passou a ter para-brisas de peça única e eixo traseiro mais forte, mantendo o motor original, de quatro cilindros com cabeçote em L.

O modelo foi atualizado em 1953, tornando-se o CJ-3B. Um ano depois, começou a ser montado em São Bernardo do Campo (SP) pela Willys-Overland do Brasil. Tinha grade frontal e capô mais altos que o antecessor militar, a fim de acomodar o novo motor de quatro cilindros Hurricane. O CJ-3B permaneceu em produção até 1968 e um total de 155.494 unidades foram fabricadas nos Estados Unidos.

Em 1953, a Willys-Overland foi vendida para Henry J. Kaiser por US$ 60 milhões. A Kaiser Company iniciou um extenso programa de pesquisa e desenvolvimento que ampliaria a gama de produtos Jeep. Dois anos depois, a companhia introduziu o CJ-5, baseado no M-38A1 de 1951, usado na Guerra da Coreia. Em relação ao CJ-3B tinha distância entre eixos e comprimento total maiores.

Além disso, melhorias no motor, eixos, transmissões e conforto fizeram do CJ-5 um veículo ideal para o crescente interesse do público em veículos off-road. As linhas de estilo eram mais suaves, incluindo contornos arredondados da carroceria. Mais de 600 mil unidades foram contabilizadas até o final da produção em 1983, um dos maiores sucessos da marca Jeep. No Brasil, o CJ-5 foi fabricado de 1957 a 1982. Houve também o CJ-6, com entre eixos alongado (2,56 m), introduzido em 1956 e produzido até 1975. Quase idêntico ao CJ-5, ele podia ter quatro portas e entre os brasileiros, ganhou o apelido de “Bernardão”, em referência à cidade paulista onde era fabricado.

Nos 16 anos de propriedade da Kaiser, fábricas foram estabelecidas em 30 países e veículos Jeep foram comercializados em mais de 150 nações. Em 1965, o novo motor V6 Dauntless foi introduzido como opção tanto para o CJ-5 quanto para o CJ-6. Com 155 cv, quase dobrou a potência do propulsor padrão, de quatro cilindros. Foi a primeira vez que um Jeep CJ pôde ser equipado com um V6.

Tradição que segue até hoje

Em 1970, a Kaiser Jeep foi adquirida pela American Motors Corporation (AMC). Os veículos com tração 4x4 estavam mais populares do que nunca. Em 1978, a produção total de veículos Jeep chegaria a 600 veículos por dia – mais de três vezes a produção no início da década. A partir de 1973, todos os CJs tinham motor V8 da AMC, de 5 litros ou 5,9 litros. O CJ-5 e o CJ-6 receberam ainda eixos mais robustos, freios maiores e bitola mais larga.

A primeira grande mudança no design da Jeep em 20 anos veio em 1976, com o CJ-7. A distância entre eixos era 25 cm maior que o CJ-5 a fim de permitir espaço para uma transmissão automática. Pela primeira vez, o CJ-7 ofereceu teto de plástico moldado e portas de aço como opcionais. O CJ-7 com entre eixos de 2,37 m e o CJ-5 com 2,12 m foram produzidos até 1983, quando a demanda pelo modelo maior deixou a AMC sem escolha a não ser descontinuar o CJ-5, após 30 anos de produção.

O Scrambler, introduzido em 1981, era semelhante ao CJ-7, mas com maior distância entre eixos. Conhecido internacionalmente como CJ-8, estava disponível nas versões com teto removível ou com capota. Menos de 30 mil Scramblers foram fabricados até 1985, tornando-os extremamente populares entre colecionadores. O Jeep CJ-7 foi substituído em 1986 pelo Jeep Wrangler, que trouxe mais tecnologia preservando o estilo tradicional, para seguir na mesma trilha. O modelo segue evoluindo no mercado até hoje, estando na quarta geração. Vale lembrar ainda que o CJ-8 tem na nova picape Gladiator uma digna herdeira, desde 2018.

No total, foram produzidos mais de 1,5 milhão de veículos CJ, mantendo não apenas o estilo básico de carroceria por 40 anos desde que apareceu pela primeira vez, como também a capacidade off-road e o espírito de liberdade.

Publicações recentes

Automóveis

Jaguar E-Type faz 60 anos

Para comemorar o aniversário do mais belo carro de todos, a Jaguar criou uma edição muito especial. Ou melhor, duas

veja mais

Motocicletas

Honda Forza 750

Apresentado para o mercado europeu em outubro de 2020, o scooter Honda Forza 750 tem motor bicilíndrico de 745 cm3. A transmissão é DCT, de dupla embreagem. O scooter Forza 750 é o maior da Série Forza, que tem também os modelos Forza 125 e Forza 350. A altura de assento é de 790 mm e o espaço de armazenamento sob o assento é de 22 litros, cabendo um capacete integral.

veja mais

Utilitários

Ford Bronco

O desenho original do Bronco foi criado por Mckinley Thompson Jr., que trabalhou também na criação do Mustang e do lendário Ford GT40

veja mais

Carros no cinema

Os Automóveis do Tintin

Quem é que nunca leu uma história do Tintin? O jovem rapazola, quem diria, é um destemido e competente repórter, que está sempre atrás de uma boa aventura.

veja mais

Automóveis

Suspendisse tristique nisi ante, ac condimentum magna tempor at

Nullam in molestie arcu. Vestibulum sollicitudin neque nec bibendum dictum. Vestibulum et enim pulvinar, interdum lectus sit amet, volutpat nibh. Nulla tincidunt nunc sed nisl luctus vehicula. Vestibulum nec dapibus velit.

veja mais

Motocicletas

Suspendisse tristique nisi ante, ac condimentum magna tempor at

Nullam in molestie arcu. Vestibulum sollicitudin neque nec bibendum dictum. Vestibulum et enim pulvinar, interdum lectus sit amet, volutpat nibh. Nulla tincidunt nunc sed nisl luctus vehicula. Vestibulum nec dapibus velit.

veja mais

Utilitários

Suspendisse tristique nisi ante, ac condimentum magna tempor at

Nullam in molestie arcu. Vestibulum sollicitudin neque nec bibendum dictum. Vestibulum et enim pulvinar, interdum lectus sit amet, volutpat nibh. Nulla tincidunt nunc sed nisl luctus vehicula. Vestibulum nec dapibus velit.

veja mais

Carros no cinema

Suspendisse tristique nisi ante, ac condimentum magna tempor at

Nullam in molestie arcu. Vestibulum sollicitudin neque nec bibendum dictum. Vestibulum et enim pulvinar, interdum lectus sit amet, volutpat nibh. Nulla tincidunt nunc sed nisl luctus vehicula. Vestibulum nec dapibus velit.

veja mais