Receba nossa newsletter

Competições

Dakar larga neste domingo de olho no futuro

Na madrugada deste domingo (3) será dada a largada da 43ª edição do Rally Dakar, a mais exigente competição a motor internacional. Mas não será uma edição qualquer: em um mundo que pulsa com mudanças tecnológicas e sociais, a organização da prova se esforça para colocar o evento na trilha correta. Em 2021, ao mesmo tempo em que cultiva a tradição com a criação da categoria Classic para carros históricos que disputaram o Dakar até o ano 2000, o rally também flerta com o futuro ao anunciar o projeto que fará todos os carros e caminhões trocarem a motorização a combustão pela movida a hidrogênio, uma tecnologia promissora mas ainda em desenvolvimento.
Paradoxalmente, o Dakar tem acordo de exclusividade para a realização de suas provas na Arábia Saudita, maior exportadora de petróleo do planeta. "Desde que surgiu, em 1979, um dos méritos do Dakar sempre foi ser um laboratório a céu aberto para a indústria", diz o brasileiro Reinaldo Varela, da equipe Monster Energy Can-Am, que tenta o bicampeonato da prova ao lado do navegador Maykel Justo. "Esse anúncio é uma forma de atrair as montadoras, que precisam desse tipo de ambiente competitivo para acelerar o desenvolvimento de seus produtos", avalia o brasileiro, que venceu a prova em 2018 na categoria UTV.
A transformação anunciada pelo francês David Castera, diretor esportivo da ASO, organizadora do Dakar, obrigará as principais equipes a utilizar veículos a hidrogênio já em 2026 – com todos os inscritos adotando a tecnologia a partir de 2030, justamente o ano em que a Arábia Saudita completará o seu plano de diversificação tecnoeconômica, do qual o Dakar vai se tornando um dos principais arautos.

Cidade do futuro – "Não é à toa que todas as equipes estão convidadas para a cerimônia de apresentação formal dos planos da motorização a hidrogênio do Dakar, que vai acontecer justamente em Neon, local onde os sauditas estão construindo o que chamam de "cidade do futuro"", ressalta Maykel Justo, que tem experiência no Dakar não apenas nos UTVs, mas também nos carros e caminhões. "Essa apresentação será no dia 11 de janeiro, em plena disputa do Dakar, quando terminaremos o dia em Neon", completa o navegador da equipe Monster Energy Can-Am. Ainda no plano tecnológico, mas com viés ambiental, o acampamento do Dakar em Neon será o primeiro da história abastecido com energia solar, algo que a ASO pretende adotar como regra nas futuras edições.
A prova que larga neste domingo também apresenta outras novidades. Por exemplo, 16 mulheres estão inscritas para enfrentar o brutal roteiro de 12 dias de competição ao longo de quase oito mil quilômetros. Entre elas, um time feminino capitaneado pela piloto italiana Camelia Liparoti e a navegadora Annet Fischer, na categoria Protótipos Leves.
Nascido na França e administrado por uma empresa europeia, o Dakar também começa a mudar o tom de sua pele. Segundo a organização, entre os 49 países representados pelos competidores, a predominância ainda é de italianos, franceses e alemães. Mas os sul-americanos e asiáticos, com destaque para os chineses, indianos e países da região árabe, são uma população que cresce sem parar. "O inglês é o idioma universal aqui, mas atualmente podemos tranquilamente nos virar no Dakar falando espanhol e também português", destaca Maykel Justo, lembrando do contingente de representantes de nações latino-americanas.

Mortes em 2020 – Ao longo de sua história o Dakar registrou a morte de 30 competidores, além de outras 45 vítimas entre membros de equipes e moradores locais. A prova chegou inclusive a receber a alcunha de rally da morte. Em sua mais recente edição, a corrida teve dois acidentes fatais, ambos de moto – do português Paulo Gonçalves, 40 anos, e do holandês Edwin Straver, 48. Para 2021, a ASO teve como meta aumentar a segurança nas dunas do deserto saudita, produzindo um roteiro no qual o foco será mais a qualidade da pilotagem e da navegação do que a velocidade pura.
"Isso beneficia quem é mais técnico e experiente", diz Varela. "Mas não alivia em nada o nível de dificuldade do rally como competição. Muito pelo contrário", pontua. No caso das motos, foram limitados o uso de pneus novos na traseira (seis unidades) e troca de pistões (uma), obrigando os pilotos a poupar o equipamento para chegar ao final da competição no dia 15 de janeiro. Outra novidade é um bipe que soará dentro dos veículos ao se aproximarem de zonas sabidamente perigosas. "É um sistema que funciona orientado por GPS", revela Reinaldo Varela. "Muitas vezes, o cansaço impede o navegador de notar certos detalhes na planilha. Certamente esse aparelho vai poupar muita gente de situações perigosas, e quem sabe salvar vidas. Parabéns para a organização", elogia o campeão do Dakar de 2018.

O Dakar em resumo – Com largada no próximo domingo, dia três de janeiro e disputada inteiramente na Arábia Saudita, a 43ª edição do Dakar terá em seus 7.646km um total de 4.767km de especiais – trechos cronometrados em alta velocidade. Os restantes 2.879km são correspondentes aos deslocamentos entre os pontos de largada e chegada em cada um dos doze dias. O roteiro da prova começa e termina Jedá. Além de Reinaldo Varela e Maykel Justo, o Brasil será representado na UTV pelo navegador Gustavo Gugelmin, com as duplas Marcelo Gastaldi/Lourival Roldan e Guilherme Spinelli/Youssef Haddad que na categoria Carros. Para tentar o bicampeonato, Varela e Maykel Justo também contam com apoio de Norton, Divino Fogão e Motul.

Publicações recentes

Automóveis

Jaguar E-Type faz 60 anos

Para comemorar o aniversário do mais belo carro de todos, a Jaguar criou uma edição muito especial. Ou melhor, duas

veja mais

Motocicletas

Honda Forza 750

Apresentado para o mercado europeu em outubro de 2020, o scooter Honda Forza 750 tem motor bicilíndrico de 745 cm3. A transmissão é DCT, de dupla embreagem. O scooter Forza 750 é o maior da Série Forza, que tem também os modelos Forza 125 e Forza 350. A altura de assento é de 790 mm e o espaço de armazenamento sob o assento é de 22 litros, cabendo um capacete integral.

veja mais

Utilitários

Ford Bronco

O desenho original do Bronco foi criado por Mckinley Thompson Jr., que trabalhou também na criação do Mustang e do lendário Ford GT40

veja mais

Carros no cinema

Os Automóveis do Tintin

Quem é que nunca leu uma história do Tintin? O jovem rapazola, quem diria, é um destemido e competente repórter, que está sempre atrás de uma boa aventura.

veja mais

Automóveis

Suspendisse tristique nisi ante, ac condimentum magna tempor at

Nullam in molestie arcu. Vestibulum sollicitudin neque nec bibendum dictum. Vestibulum et enim pulvinar, interdum lectus sit amet, volutpat nibh. Nulla tincidunt nunc sed nisl luctus vehicula. Vestibulum nec dapibus velit.

veja mais

Motocicletas

Suspendisse tristique nisi ante, ac condimentum magna tempor at

Nullam in molestie arcu. Vestibulum sollicitudin neque nec bibendum dictum. Vestibulum et enim pulvinar, interdum lectus sit amet, volutpat nibh. Nulla tincidunt nunc sed nisl luctus vehicula. Vestibulum nec dapibus velit.

veja mais

Utilitários

Suspendisse tristique nisi ante, ac condimentum magna tempor at

Nullam in molestie arcu. Vestibulum sollicitudin neque nec bibendum dictum. Vestibulum et enim pulvinar, interdum lectus sit amet, volutpat nibh. Nulla tincidunt nunc sed nisl luctus vehicula. Vestibulum nec dapibus velit.

veja mais

Carros no cinema

Suspendisse tristique nisi ante, ac condimentum magna tempor at

Nullam in molestie arcu. Vestibulum sollicitudin neque nec bibendum dictum. Vestibulum et enim pulvinar, interdum lectus sit amet, volutpat nibh. Nulla tincidunt nunc sed nisl luctus vehicula. Vestibulum nec dapibus velit.

veja mais